segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Autoretrato



Minha voz é um fio entrecortado e baixo,
nas entrelinhas de palavras comuns,
ela confessa o quanto estou desmotivado.
Minhas sobrancelhas desenham um declínio;
olhos baixos,baços.
Se pedir-me um sorriso,
será de dentes escondidos,
nada de gargalhadas,
ando tímido.
Ando com mais dúvidas do que respostas.
Ando de ombros inclinados.
As vezes me alinho,
mas logo esqueço
e desenha-se em mim nova postura de cansaço.
Detesto ver-me assim.. tão fraco
Tal ato faz de mim um cavaleiro desarmado
não há escudos
não há espadas,
não há nada que encerre este poema com outro gosto
senão amargo.
em minhas linhas eu descrevo um sentimento
é  desenho triste e feio:
auto-retrato de fracasso.

poesias e reflexões de *Alessandra Barcelos

6 comentários:

♥ Rita de Cássia,a menina dos olhos de Deus♥ disse...

Oi Alessandra boa tarde!que linda poesia amiga,amei!Parabéns!!!seu blog ta lindo.Deus continue a te abençoar cada vez mais.Beijos...

Maria Cristina Gama disse...

Olá, Alessandra!

Lindo poema que descreve o sentimento de alguém que está triste e a tristeza nos deixa feios.

É seu o poema? É que percebi que o "eu lírico" era masculinho por meio dos adjetivos usados... Retratou alguém que faz parte de você?

Um grande beijo e parabéns pelo blog, agora com cara nova.

Chris

Alessandra disse...

Chis,bem vinda,sempre!
Este poema esta no masculino porque ás vezes gosto de dar aos homens oportunidade de se reconhecer nos textos que escrevo também..provavelmente em algum momento um homem lerá isto e verá a tradução de sua angustia,será consolo a seu coração.
Mas este poema,este semblante,sobrancelhas em declínio(herdadas da minha mãe quando esta triste),voz baixa e entrecortada ,são sentimentos que conheço bem e traduzem muitas vezes angustias minhas,praticamente desenhei meu semblantede dias tristes na poesia,por isso se chama ''autoretrato''.Claro que existem outras expressões em meu rosto,as de alegria,e as de tristeza são só um momento,porque é a alegria que nos aformoseia o rosto e o andar..
como disse no texto''detesto ver-me assim tão fraco(a)'',pois nestas horas falta-me ''escudo''(a fé) e falta-me espada(a Palavra de Deus)sem as quais não posso viver e sou (mesmo mulher)como um cavaleiro(das batalhas do Senhor)desarmado...enfim,sensações de todos nós,humanos,homens ou mulheres em alguns momentos da vida e que nos alivia desenhar ou ver desenhado por alguém com palavras,é como ler o livro de Jó ou alguns dos Salmos:descobrimos que não somos os únicos que as vezes duvidam,choram,se angustiam...
Bem...acho que expliquei até demais..afinal ,poesias são parábolas e incógnitas,brincadeira de esconde-esconde rsrs.
Um super Abraço,obrigada pela visita preciosa!

Alessandra disse...

Rita,obrigada pela visita,muito importante pra mim!
Obrigado pelo elogio ao blog...perdeu as laterais,mais ficou muito mais dinâmico,é possível ler tudo na primeira página,até pra mim foi interessante,pois pude reler poesias feitas a muito tempo mais que ainda me fazem todo sentido...abraços!

Maria Cristina Gama disse...

Olá, Alessandra, sou uma admiradora dos seu poemas!

Quando li esse, acabei lembrando das minhas aulas de Literatura, das Cantigas de Amor e Cantigas de Amigo.

Na época em que esses poemas foram escritos, a mulher não escrevia e as Cantigas de Amigo possuiam o "eu-lírico" feminino, sendo escritas por homens...

Gosto do seu estilo, do jeito que se expressa e brinca com as metáforas como ninguém.

Um grande beijo!

Chris

Antonio Batalha disse...

Vim visitar seu blog, desejar de todo o coração que continue a ser uma benção, e que se deixe usar pelo Grande Mestre.E ao mesmo tempo desejar um natal feliz, também convidar você a fazer parte de meus amigos no blog, "A Verdade Que Liberta", unidos em Cristo somos uma verdadeira muralha contra qualquer calamidade, espero por sua visita. Um abraço.

SEM FRONTEIRAS

type