sexta-feira, 13 de julho de 2012

Confissão


Pai...
Hoje não há palavras bonitas em minha oração
são duras coisas a dizer
palavras de confissão.
Quero contar-te coisas
que na verdade já sabes
mas talvez em dizê-las eu me sinta melhor,
e quem sabe ao ouvi-las,
entendas que de nada me orgulho
apenas não sei como de tais coisas me livrar.
Pai,
queria ser sempre bom,mas nao sou
queria ter sempre pensamentos puros
mas não é assim.
Dentro de meu peito moram abismos
fazendo fronteira com o céu.
Dentro de meus lábios
moram palavras duras,
dividindo morada com aquelas que são suaves e doce como mel.
Ah pai..quero ser manso e humilde de coração
mas tenho momentos de rompantes
onde me vejo com espadas afiadas nas mãos.
Eu disse
que a oração não era bonita
mas creio que a queres ouvir ainda assim;
pois tens o dom de mudança
me ensinas como um pai a sua criança
me tratas com perseverança
e  usas de misericórdias sem fim.

*poesias e reflexões de *Alessandra Barcelos

2 comentários:

Anamaria Galvao disse...

adorei o que vc escreveu. dá pra ver que foi de coração.q Deus te ilumine muito .Ana

Lamarque disse...

preciosa oração.... não ha palavras bonitas, mas há oração, há conversa, diálogo, relacionamento... há desabafo da alma... assim é a oração natural... assim é o pai que nos acolhe... assim somos nós com nossas complexidades... parabens abraços lamarque

SEM FRONTEIRAS

type